Um exército de narcisistas? De jeito nenhum

(Nota do tradutor: artigo publicado em inglês em 26/12/2006 no blog The Last Psychiatrist (“O Último Psiquiatra”), atualmente inativo.)

Um tremendo exemplo do narcisismo da nossa sociedade sobre o qual eu escrevi no meu artigo sobre a Time com a capa engraçada. Se existisse alguma organização que eu consideraria em oposição direta ao narcisismo, seria as forças armadas, e no entanto eis aqui ele, sendo especificamente promovido.

(N.d.t.: Stephen Colbert é um humorista que faz sátira política.)

Eu entendo a necessidade prática dessa abordagem, claro: a tentativa de se conectar a um povo apático que recebe notícias atuais de vídeos do Colbert Report no YouTube – eles não se dão o trabalho de encontrar o Iraque ou o Afeganistão num mapa, muito menos se alistar. Mas marca minhas palavras, quando as forças armadas não podem apelar a crenças maiores com qualquer efeito, e precisam recorrer unicamente a ilusões condescendentes de realizações individuais, essa sociedade não pode durar.

Olha a evolução dos slogans, e me diz que eu exagero (do Army Times):

O Exército de hoje quer se juntar a você“: 1971-1973.

Junte-se às pessoas que se juntaram ao Exército“: 1973-1979.

Esse é o Exército“: 1979-1981.

Seja tudo que você pode ser“: 1981-2001.

Um Exército de um“: 2001-2006.

Olha a gramática, as conotações semióticas. Uma pergunta pros historiadores seria se uma civilização em declínio sabe ou não que declina; e se não, o que eles pensavam que acontecia?

Mas talvez nem tudo esteja perdido. O Exército acabou de anunciar o seu novo lema de recrutamento, que aparentemente teve bons resultados em testes: “Forte como o Exército.”


Aliás, a campanha “Forte como o Exército” foi criada pela nova empresa de publicidade do Exército, a McCann Erikson. Eles são responsáveis pela campanha “não tem preço/existem coisas que o dinheiro não compra” da MasterCard. É claro, isso custou um bilhão de dólares pro Exército.

Eu vou voltar pra psiquiatria agora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *