Teorias da conspiração

Nas últimas semanas eu tentei fazer um esboço das barreiras mentais que fazem tão difícil pros americanos encararem o nosso predicamento e os passos difíceis necessários pra uma solução. Essas barreiras são todas entrelaçadas; falando sobre a indisposição da classe média americana a abandonar ou mesmo reconhecer sua posição de privilégio, ou sobre a insistência universal em dizer que o futuro tem que ser melhor que o presente (mesmo, ou especialmente, quando todos sabem que não vai), ou sobre a noção de que nossos problemas atuais são o resultado deliberado da má-vontade de alguém – o tema do artigo dessa semana – não se pode falar por muito tempo de uma sem as outras entrarem em jogo. Cada elo no que William Blake chamou de “as algemas forjadas pela mente” da consciência moderna é bem soldado aos outros.

Uma das coisas mais interessantes sobre o conjunto de idéias que eu quero discutir hoje é que ele quase inclui isso. Teorias da consipiração começam com o reconhecimento de que conexões nem sempre são visíveis, de que o que parece aleatório e desconectado frequentemente tem uma linha de propósito e significado amarrando tudo por baixo da superfície. Esse reconhecimento é uma ferramenta crucial pra entender o predicamento global de hoje, pra não dizer um primeiro passo necessário pra consciência ecológica que é a nossa maior esperança de passar pra um modo de vida mais sustentável. Também é um elemento fundamental na espiritualidade. Místicos e poetas têm indicado por milhares de anos que todas as coisas são conectadas a todas as outras – “não se pode tocar uma flor sem incomodar as estrelas” – e o mesmo reconhecimento tem sido central pra tradição druídica moderna desde as suas orígens no século 18.

Aqui assim como muitas outras vezes, no entanto, o diabo tá nos detalhes. Tudo é conectado a todo resto, mas em cada contexto algumas conexões importam mais que outras. Uma série de ligações sutis conecta o sanduíche de manteiga de amendoim que tu fez na terça-feira passada ao estado da tua carreira, sem dúvida, mas se te recusaram uma promoção na sexta-feira, aquele sanduíche provavelmente não ocupa posição muito alta na lista dos motivos. Se tu não quer discutir os motivos mais importantes, no entanto, o sanduíche pode ser um bom meio de falar sobre os problemas da tua carreira evitando os fatores que tu prefere não mencionar.

Bastante da conversa sobre esgotamento dos combustíveis fósseis, aquecimento global, e outros aspectos do nosso predicamento atual usa exatamente essa estratégia. Recentemente, enquanto eu lia a blogosfera sobre o pico do petróleo, eu achei um artigo dizendo que o pico do petróleo era uma conspiração perpetrada por extremistas de esquerda tentando derrubar o status quo. Uns minutos depois, achei outro artigo dizendo que o pico do petróleo é uma conspiração perpetrada pela indústria financeira tentando sustentar o status quo. Certamente é verdade que alguns ativistas políticos deram o seu melhor pra tomar a questão do esgotamento do petróleo pra propósitos partidários, e pode ser que a alta recente dos preços de petróleo tenha sido forçada numa tentativa de injetar liquidez numa economia mundial em queda. Mas esses são no máximo fatores secundários. As forças principais por trás do pico do petróleo são:

  • as reservas de petróleo do mundo são finitas;
  • nós já usamos quase a metade de todo o petróleo recuperável no planeta;
  • nós extraímos mais petróleo do que descobrimos todo ano desde 1964;
  • a produção da maioria dos campos de petróleo em uso tem diminuído;
  • novos campos e fontes alternativas como as areias betuminosas mal cobrem as quedas;
  • a situação tem mais chance de piorar do que de melhorar nas próximas décadas.

(N.d.t.: “liberais” nos Estados Unidos significa o Partido Democrata ou a esquerda; o Partido Republicano e a direita são chamados de “conservadores”.)

Essas realidades físicas concretas dão o contexto no qual ativistas, a indústria financeira, e todos os outros tomam suas decisões e perseguem suas metas. Se os liberais manipulam o pico do petróleo pra apoiar agenda partidária, ou se os grandes bancos de investimentos encorajam especulação em mercados de petróleo, isso merece atenção, e, poderia-se dizer, crítica também. Nenhum dos dois muda o fato de que o petróleo barato do mundo tá no fim e a demanda mundial de petróleo aumenta mais rápido do que a oferta. Ainda assim, se tu não quer falar dos motivos pelos quais a tua promoção foi recusada, aquele sanduíche de manteiga de amendoim é uma boa distração.

Frequentemente tu pode entender um fenômeno vendo uma forma extrema dele, e eu tive a chance de fazer isso com esse tipo de pensamento nos últimos anos. Na cidadezinha do sul do Oregon onde eu moro, há um número razoável de moradores mais ou menos associados com o movimento da Nova Era, e alguns deles se interessam pela teoria da conspiração divulgada uns anos atrás por um ex-jogador de futebol, agora guru da Nova Era, chamado David Icke. Icke diz que o nosso planeta é controlado por répteis extraterrestres malignos que mudam de forma, que são pessoalmente responsáveis por tudo de ruim no mundo. A conjunção entre essa paranóia cósmica e o movimento da Nova Era sempre me pareceu estranha, uma vez que a crença principal da Nova Era é “tu cria a tua própria realidade”. Se tu acredita que cria a própria realidade, eu me perguntava, porque tu quereria criar uma na qual o mundo é governado por répteis malignos do espaço sideral?

Como a maioria das perguntas, essa contém a própria resposta, porque há ao menos três razões pelas quais um mundo governado por répteis malignos é mais confortável do que o que nós realmente habitamos.

Primeira, não é culpa tua. Se répteis espaciais governam o mundo, não importa que o teu estilo de vida depende de fábricas com trabalho escravo no Terceiro Mundo e devastação ambiental, nem que as tuas escolhas ajudam a garantir aos teus netos uma vida mais pobre num mundo menos fértil. Uma vez que répteis espaciais mandam no mundo e tu não, a culpa é deles, não tua.

Segunda, o mundo obedece o que mandam. Se répteis espaciais controlam o mundo, isso significa que o mundo tá sob controle, e portanto ao menos potencialmente sob o teu controle. O mundo em volta de ti perde a independência e se torna um objeto pra ser manipulado à vontade. Tu não tem que confrontar um universo governado por leis e inércia próprias, no qual tu, teus desejos, e tuas opiniões não importam tanto assim.

Terceira, tu não tem que mudar tua vida. Se répteis espaciais são responsáveis por todos os problemas do mundo, oposição aos répteis é muito mais importante do que resolver os problemas. Também é muito mais fácil, porque não exige que tu abandone escolhas de vida insustentáveis.

Essas vantagens ajudam bastante a explicar porque a mitologia reptiliana do Icke se tornou tão popular nas extremidades do pensamento atual. Os mesmos três fatores têm um papel ao menos do mesmo tamanho nas teorias da conspiração bem menos exóticas em torno do predicamento atual da sociedade industrial. Comumente demais, conversas sobre as várias manifestações desse predicamento se focam exclusivamente em de quem é a culpa, e, seja o alvo do dia ativistas liberais, a indústria financeira, empresas petrolíferas, George W. Bush, ou Gilgamesh, a premissa parece ser que se o bode expiatório certo for encontrado e punido, o problema vai estar resolvido.

Não vai, no entanto. A crítica tem seu lugar em qualquer sociedade saudável, mas quando ela se torna um substituto pra ação construtiva, se torna energia desperdiçada – e quando ela se torna uma forma pras pessoas evitarem lidar com a sua complicidade na situação, ela pode facilmente se tornar parte do problema que ela diz abordar. Isso é verdade mesmo se alguns dos bodes expiatórios em potencial tiverem ajudado a piorar a situação, por sinal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *