Borderline

O narcisismo – que eu creio que é a doença primária da nossa época – é um lado de uma moeda. O outro lado – que possibilita o narcisista – é a borderline.

Se a analogia pro narcisismo é “ser o personagem principal do próprio filme”, a analogia pra borderline é ser uma atriz.

Nota a diferença: o narcisista é um personagem – inventado mas bem escrito, completo com passado e identidade. O narcisista tenta ser algo – que já tem um modelo. Talvez ele se considere artístico, valente, espiritual, ou como o cara em Matrix. Tipos, personagens. A borderline é ninguém: a borderline espera que o script a defina.

Ela? Sim. Narcisistas são na maioria homens, e borderlines mulheres. (Nem sempre, claro.)

A descrição clássica inclui: relacionamentos intensos e instáveis; flutuabilidade emocional; medo de abandono. A borderline não tem senso real de si mesma.

Ironicamente, a borderline só é borderline em relação a outras pessoas. A borderline tem um problema de identidade só porque outras pessoas têm identidades mais fortes. O teu pai quer que tu seja de um jeito, então tu é. O teu namorado quer uma mulher diferente; então tu é. O teu marido quer outra coisa; então tu é. Quem diabos tu é, na verdade? Tu não faz idéia, porque tu sempre te molda à personalidade dominante na tua vida.

Isso é feito principalmente por medo de abandono: se tu não “for” a pessoa que eles querem, eles vão te largar, e aí o que tu faz? (Borderlines não ficam sem relacionamentos – elas largam um por outro.)

O narcisista cria uma identidade, então tenta forçar todo mundo a acreditar nela. A borderline espera encontrar alguém, e constrói uma personalidade adequada àquela pessoa.

Se uma borderline namora um cara que adora os Dallas Cowboys, é certo que ela vai adorar os Dallas Cowboys. Se, no entanto, ela largar ele, e namorar um cara que adora os Giants, ela vai adorar os Giants. Mas o que faz ela borderline é: ela realmente vai acreditar que os Giants são melhores. Ela não tá mentindo, e não tá fazendo isso por ele; ela realmente acredita nisso. Todo mundo vendo de fora nota que é obviamente função de quem ela namora, mas ela tem certeza de que teve a idéia ela mesma. E ela não tá fingindo: naquele momento ela acredita, com cada fibra do ser dela, que os Giants são melhores.

Agora a ironia: se uma borderline, depois de um naufrágio, fosse parar numa ilha deserta, ela desenvolveria uma identidade real, própria, não uma reação a outras pessoas. Desculpa, não foi essa a ironia, a ironia é: ela se tornaria narcisista.

A borderline tem os marcadores externos de identidade: tatuagens, cores de cabelo diferentes, roupas. Tu pode lembrar que eu disse quase o mesmo sobre o narcisista: a diferença, claro, é que a borderline muda a imagem conforme muda a identidade – em outras palavras, conforme troca a personalidade dominante na vida dela; mas o narcisista cria um visual, uma identidade, que ele então defende a todo custo: “Eu antes comeria formigas-de-fogo do que cortar o bigode.” Claro. Claro.

Todos esses filmes bobos sobre uma mulher que vai embora, ou pra cidade grande, e “se encontra”: isso é uma borderline se tornando narcisista.

Se tu olhar pros relacionamentos duradouros que tu já teve, e ficar completamente surpresa pensando sobre o que foi que tu viu nessas pessoas que te fez ficar com elas por um ano; bem, taí.

É por isso que narcisistas casam com borderlines, não outros narcisistas. Dois narcisistas simplesmente não se aguentam: quem é o personagem principal? Enquanto isso, dois borderlines não podem ficar um com o outro – quem entra com a identidade? O narcisista se dá bem com a borderline porque ela dá pra ele a confirmação de que ele é, de fato, principal; a borderline se dá bem com o narcisista porque ele define ela. E, como ela vai te dizer sempre, sem falta: “tu não conhece ele como eu conheço”. Todos os outros julgam o comportamento dele; mas a borderline julga a versão dele mesmo que ela aceitou.

Volta pro meu exemplo dos sapatos de salto alto. O narcisista exige que a mulher dele use sapatos de salto alto brancos não por ele gostar deles ele mesmo – ele pode gostar ou não – mas porque ele é o tipo de homem que estaria com o tipo de mulher que usa sapatos de salto alto brancos. Ele pensa que é o homem sofisticado e masculino da década de 1980, então é melhor que ela seja a Kim Basinger de 9 1/2 Semanas de Amor. Cabelo loiro, sapatos de salto alto brancos. Ela poderia pesar 200 kg, essa não é a questão (mas vai se tornar uma depois). Então ela usa os sapatos, e começa a acreditar que ele gosta deles, começa a acreditar que ela é aquela mulher. Ele reforça isso com certos comportamentos ou palavras pra ela (ele vai abrir a porta pra ela, empurrar a cadeira dela, etc. Tu pergunta “Qual o problema?” Nenhum, fora ele TAMBÉM bater nela quando ela não usa os sapatos).

É quase síndrome de esposa agredida: o que mantém ela com aquele maníaco é que quando ele não bate nela, parece que ele é bom pra ela, tamanha a diferença entre apanhar e simplesmente não apanhar. Enquanto isso tudo que ele faz de errado tem uma explicação externa: foi o álcool, ele tá estressado, etc. E ela racionaliza pra benefício ela, não dele, porque é vital pra sobrevivência psicológica dela que ele seja quem ele diz que é, que ele realmente tenha uma identidade estável com a qual coisas acontecem, porque a identidade dela depende da dele como base.

É por isso que o terapeuta tem tanto que manter neutralidade e consistência nas sessões. Não é só pra evitar conflito; sendo a personalidade mais dominante (leia-se: consistente), a borderline pode começar a construir uma pra si mesma usando a tua como guia.

Se a borderline soa como uma guria de 15 anos, é porque é isso que ela é. A diferença, claro, é que a guria de 15 anos de verdade deve ser inconstante, testando identidades e filosofias e visuais até encontrar o que é “ela”. Mas se tu tem 30 anos e faz isso, bem …


(Por sinal, se tu quer entender o mistério do vício em sapatos das mulheres, minha opinião: sapatos são o artigo de vestimenta que representa possibilidade. Cada sapato é um visual diferente, um caráter diferente, e ela pode escolher “quem” ela quer ser naquele dia. Tu pode não perceber a diferença, mas ela sente. Isso não é borderline – é normal, mas é normal porque o sapato muda e o resto dela não.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *