Borderline

O narcisismo – que eu creio que é a doença primária da nossa época – é um lado de uma moeda. O outro lado – que possibilita o narcisista – é a borderline.

Se a analogia pro narcisismo é “ser o personagem principal do próprio filme”, a analogia pra borderline é ser uma atriz.

Nota a diferença: o narcisista é um personagem – inventado mas bem escrito, completo com passado e identidade. O narcisista tenta ser algo – que já tem um modelo. Talvez ele se considere artístico, valente, espiritual, ou como o cara em Matrix. Tipos, personagens. A borderline é ninguém: a borderline espera que o script a defina.

Ela? Sim. Narcisistas são na maioria homens, e borderlines mulheres. (Nem sempre, claro.)

A descrição clássica inclui: relacionamentos intensos e instáveis; flutuabilidade emocional; medo de abandono. A borderline não tem senso real de si mesma.

Ironicamente, a borderline só é borderline em relação a outras pessoas. A borderline tem um problema de identidade só porque outras pessoas têm identidades mais fortes. O teu pai quer que tu seja de um jeito, então tu é. O teu namorado quer uma mulher diferente; então tu é. O teu marido quer outra coisa; então tu é. Quem diabos tu é, na verdade? Tu não faz idéia, porque tu sempre te molda à personalidade dominante na tua vida.

Isso é feito principalmente por medo de abandono: se tu não “for” a pessoa que eles querem, eles vão te largar, e aí o que tu faz? (Borderlines não ficam sem relacionamentos – elas largam um por outro.)

O narcisista cria uma identidade, então tenta forçar todo mundo a acreditar nela. A borderline espera encontrar alguém, e constrói uma personalidade adequada àquela pessoa.

Se uma borderline namora um cara que adora os Dallas Cowboys, é certo que ela vai adorar os Dallas Cowboys. Se, no entanto, ela largar ele, e namorar um cara que adora os Giants, ela vai adorar os Giants. Mas o que faz ela borderline é: ela realmente vai acreditar que os Giants são melhores. Ela não tá mentindo, e não tá fazendo isso por ele; ela realmente acredita nisso. Todo mundo vendo de fora nota que é obviamente função de quem ela namora, mas ela tem certeza de que teve a idéia ela mesma. E ela não tá fingindo: naquele momento ela acredita, com cada fibra do ser dela, que os Giants são melhores.

Agora a ironia: se uma borderline, depois de um naufrágio, fosse parar numa ilha deserta, ela desenvolveria uma identidade real, própria, não uma reação a outras pessoas. Desculpa, não foi essa a ironia, a ironia é: ela se tornaria narcisista.

A borderline tem os marcadores externos de identidade: tatuagens, cores de cabelo diferentes, roupas. Tu pode lembrar que eu disse quase o mesmo sobre o narcisista: a diferença, claro, é que a borderline muda a imagem conforme muda a identidade – em outras palavras, conforme troca a personalidade dominante na vida dela; mas o narcisista cria um visual, uma identidade, que ele então defende a todo custo: “Eu antes comeria formigas-de-fogo do que cortar o bigode.” Claro. Claro.

Todos esses filmes bobos sobre uma mulher que vai embora, ou pra cidade grande, e “se encontra”: isso é uma borderline se tornando narcisista.

Se tu olhar pros relacionamentos duradouros que tu já teve, e ficar completamente surpresa pensando sobre o que foi que tu viu nessas pessoas que te fez ficar com elas por um ano; bem, taí.

É por isso que narcisistas casam com borderlines, não outros narcisistas. Dois narcisistas simplesmente não se aguentam: quem é o personagem principal? Enquanto isso, dois borderlines não podem ficar um com o outro – quem entra com a identidade? O narcisista se dá bem com a borderline porque ela dá pra ele a confirmação de que ele é, de fato, principal; a borderline se dá bem com o narcisista porque ele define ela. E, como ela vai te dizer sempre, sem falta: “tu não conhece ele como eu conheço”. Todos os outros julgam o comportamento dele; mas a borderline julga a versão dele mesmo que ela aceitou.

Volta pro meu exemplo dos sapatos de salto alto. O narcisista exige que a mulher dele use sapatos de salto alto brancos não por ele gostar deles ele mesmo – ele pode gostar ou não – mas porque ele é o tipo de homem que estaria com o tipo de mulher que usa sapatos de salto alto brancos. Ele pensa que é o homem sofisticado e masculino da década de 1980, então é melhor que ela seja a Kim Basinger de 9 1/2 Semanas de Amor. Cabelo loiro, sapatos de salto alto brancos. Ela poderia pesar 200 kg, essa não é a questão (mas vai se tornar uma depois). Então ela usa os sapatos, e começa a acreditar que ele gosta deles, começa a acreditar que ela é aquela mulher. Ele reforça isso com certos comportamentos ou palavras pra ela (ele vai abrir a porta pra ela, empurrar a cadeira dela, etc. Tu pergunta “Qual o problema?” Nenhum, fora ele TAMBÉM bater nela quando ela não usa os sapatos).

É quase síndrome de esposa agredida: o que mantém ela com aquele maníaco é que quando ele não bate nela, parece que ele é bom pra ela, tamanha a diferença entre apanhar e simplesmente não apanhar. Enquanto isso tudo que ele faz de errado tem uma explicação externa: foi o álcool, ele tá estressado, etc. E ela racionaliza pra benefício ela, não dele, porque é vital pra sobrevivência psicológica dela que ele seja quem ele diz que é, que ele realmente tenha uma identidade estável com a qual coisas acontecem, porque a identidade dela depende da dele como base.

É por isso que o terapeuta tem tanto que manter neutralidade e consistência nas sessões. Não é só pra evitar conflito; sendo a personalidade mais dominante (leia-se: consistente), a borderline pode começar a construir uma pra si mesma usando a tua como guia.

Se a borderline soa como uma guria de 15 anos, é porque é isso que ela é. A diferença, claro, é que a guria de 15 anos de verdade deve ser inconstante, testando identidades e filosofias e visuais até encontrar o que é “ela”. Mas se tu tem 30 anos e faz isso, bem …


(Por sinal, se tu quer entender o mistério do vício em sapatos das mulheres, minha opinião: sapatos são o artigo de vestimenta que representa possibilidade. Cada sapato é um visual diferente, um caráter diferente, e ela pode escolher “quem” ela quer ser naquele dia. Tu pode não perceber a diferença, mas ela sente. Isso não é borderline – é normal, mas é normal porque o sapato muda e o resto dela não.)

Teorias da conspiração

Nas últimas semanas eu tentei fazer um esboço das barreiras mentais que fazem tão difícil pros americanos encararem o nosso predicamento e os passos difíceis necessários pra uma solução. Essas barreiras são todas entrelaçadas; falando sobre a indisposição da classe média americana a abandonar ou mesmo reconhecer sua posição de privilégio, ou sobre a insistência universal em dizer que o futuro tem que ser melhor que o presente (mesmo, ou especialmente, quando todos sabem que não vai), ou sobre a noção de que nossos problemas atuais são o resultado deliberado da má-vontade de alguém – o tema do artigo dessa semana – não se pode falar por muito tempo de uma sem as outras entrarem em jogo. Cada elo no que William Blake chamou de “as algemas forjadas pela mente” da consciência moderna é bem soldado aos outros.

Uma das coisas mais interessantes sobre o conjunto de idéias que eu quero discutir hoje é que ele quase inclui isso. Teorias da consipiração começam com o reconhecimento de que conexões nem sempre são visíveis, de que o que parece aleatório e desconectado frequentemente tem uma linha de propósito e significado amarrando tudo por baixo da superfície. Esse reconhecimento é uma ferramenta crucial pra entender o predicamento global de hoje, pra não dizer um primeiro passo necessário pra consciência ecológica que é a nossa maior esperança de passar pra um modo de vida mais sustentável. Também é um elemento fundamental na espiritualidade. Místicos e poetas têm indicado por milhares de anos que todas as coisas são conectadas a todas as outras – “não se pode tocar uma flor sem incomodar as estrelas” – e o mesmo reconhecimento tem sido central pra tradição druídica moderna desde as suas orígens no século 18.

Aqui assim como muitas outras vezes, no entanto, o diabo tá nos detalhes. Tudo é conectado a todo resto, mas em cada contexto algumas conexões importam mais que outras. Uma série de ligações sutis conecta o sanduíche de manteiga de amendoim que tu fez na terça-feira passada ao estado da tua carreira, sem dúvida, mas se te recusaram uma promoção na sexta-feira, aquele sanduíche provavelmente não ocupa posição muito alta na lista dos motivos. Se tu não quer discutir os motivos mais importantes, no entanto, o sanduíche pode ser um bom meio de falar sobre os problemas da tua carreira evitando os fatores que tu prefere não mencionar.

Bastante da conversa sobre esgotamento dos combustíveis fósseis, aquecimento global, e outros aspectos do nosso predicamento atual usa exatamente essa estratégia. Recentemente, enquanto eu lia a blogosfera sobre o pico do petróleo, eu achei um artigo dizendo que o pico do petróleo era uma conspiração perpetrada por extremistas de esquerda tentando derrubar o status quo. Uns minutos depois, achei outro artigo dizendo que o pico do petróleo é uma conspiração perpetrada pela indústria financeira tentando sustentar o status quo. Certamente é verdade que alguns ativistas políticos deram o seu melhor pra tomar a questão do esgotamento do petróleo pra propósitos partidários, e pode ser que a alta recente dos preços de petróleo tenha sido forçada numa tentativa de injetar liquidez numa economia mundial em queda. Mas esses são no máximo fatores secundários. As forças principais por trás do pico do petróleo são:

  • as reservas de petróleo do mundo são finitas;
  • nós já usamos quase a metade de todo o petróleo recuperável no planeta;
  • nós extraímos mais petróleo do que descobrimos todo ano desde 1964;
  • a produção da maioria dos campos de petróleo em uso tem diminuído;
  • novos campos e fontes alternativas como as areias betuminosas mal cobrem as quedas;
  • a situação tem mais chance de piorar do que de melhorar nas próximas décadas.

(N.d.t.: “liberais” nos Estados Unidos significa o Partido Democrata ou a esquerda; o Partido Republicano e a direita são chamados de “conservadores”.)

Essas realidades físicas concretas dão o contexto no qual ativistas, a indústria financeira, e todos os outros tomam suas decisões e perseguem suas metas. Se os liberais manipulam o pico do petróleo pra apoiar agenda partidária, ou se os grandes bancos de investimentos encorajam especulação em mercados de petróleo, isso merece atenção, e, poderia-se dizer, crítica também. Nenhum dos dois muda o fato de que o petróleo barato do mundo tá no fim e a demanda mundial de petróleo aumenta mais rápido do que a oferta. Ainda assim, se tu não quer falar dos motivos pelos quais a tua promoção foi recusada, aquele sanduíche de manteiga de amendoim é uma boa distração.

Frequentemente tu pode entender um fenômeno vendo uma forma extrema dele, e eu tive a chance de fazer isso com esse tipo de pensamento nos últimos anos. Na cidadezinha do sul do Oregon onde eu moro, há um número razoável de moradores mais ou menos associados com o movimento da Nova Era, e alguns deles se interessam pela teoria da conspiração divulgada uns anos atrás por um ex-jogador de futebol, agora guru da Nova Era, chamado David Icke. Icke diz que o nosso planeta é controlado por répteis extraterrestres malignos que mudam de forma, que são pessoalmente responsáveis por tudo de ruim no mundo. A conjunção entre essa paranóia cósmica e o movimento da Nova Era sempre me pareceu estranha, uma vez que a crença principal da Nova Era é “tu cria a tua própria realidade”. Se tu acredita que cria a própria realidade, eu me perguntava, porque tu quereria criar uma na qual o mundo é governado por répteis malignos do espaço sideral?

Como a maioria das perguntas, essa contém a própria resposta, porque há ao menos três razões pelas quais um mundo governado por répteis malignos é mais confortável do que o que nós realmente habitamos.

Primeira, não é culpa tua. Se répteis espaciais governam o mundo, não importa que o teu estilo de vida depende de fábricas com trabalho escravo no Terceiro Mundo e devastação ambiental, nem que as tuas escolhas ajudam a garantir aos teus netos uma vida mais pobre num mundo menos fértil. Uma vez que répteis espaciais mandam no mundo e tu não, a culpa é deles, não tua.

Segunda, o mundo obedece o que mandam. Se répteis espaciais controlam o mundo, isso significa que o mundo tá sob controle, e portanto ao menos potencialmente sob o teu controle. O mundo em volta de ti perde a independência e se torna um objeto pra ser manipulado à vontade. Tu não tem que confrontar um universo governado por leis e inércia próprias, no qual tu, teus desejos, e tuas opiniões não importam tanto assim.

Terceira, tu não tem que mudar tua vida. Se répteis espaciais são responsáveis por todos os problemas do mundo, oposição aos répteis é muito mais importante do que resolver os problemas. Também é muito mais fácil, porque não exige que tu abandone escolhas de vida insustentáveis.

Essas vantagens ajudam bastante a explicar porque a mitologia reptiliana do Icke se tornou tão popular nas extremidades do pensamento atual. Os mesmos três fatores têm um papel ao menos do mesmo tamanho nas teorias da conspiração bem menos exóticas em torno do predicamento atual da sociedade industrial. Comumente demais, conversas sobre as várias manifestações desse predicamento se focam exclusivamente em de quem é a culpa, e, seja o alvo do dia ativistas liberais, a indústria financeira, empresas petrolíferas, George W. Bush, ou Gilgamesh, a premissa parece ser que se o bode expiatório certo for encontrado e punido, o problema vai estar resolvido.

Não vai, no entanto. A crítica tem seu lugar em qualquer sociedade saudável, mas quando ela se torna um substituto pra ação construtiva, se torna energia desperdiçada – e quando ela se torna uma forma pras pessoas evitarem lidar com a sua complicidade na situação, ela pode facilmente se tornar parte do problema que ela diz abordar. Isso é verdade mesmo se alguns dos bodes expiatórios em potencial tiverem ajudado a piorar a situação, por sinal.

Se essa é uma das coisas mais atraentes que tu já viu, tu pode ser narcisista

Uma introdução rápida ao novo narcisismo.

Eu não quero dizer as descrições tradicionais por Kernberg, Kohut, ou mesmo Freud. Eu acho que o narcisismo evoluiu em tempos modernos.

Um narcisista não é necessariamente um egotista, alguém que se acha o melhor. Um critério simples é uma falta de consciência de que outras pessoas existem, e têm pensamentos, sentimentos, e ações sem ligação com o narcisista. Esses pensamentos não precisam ser bons, mas precisam ser ligados ao narcisista. (“Eu vou ter que abastecer – porque aquele imbecil nunca enche o tanque.”)

O narcisista pensa que é o personagem principal no seu próprio filme. Todos os outros são secundários – todo mundo em volta dele vira um “tipo”. Sabe como em cada comédia romântica, sempre tem a amiga engraçada que ajuda a personagem principal a entender o relacionamento? No filme, a existência inteira dela é estar lá pra ajudar a personagem principal. Mas na vida real, aquela amiga engraçada tem a própria vida; ela pode até ser a personagem principal no próprio filme, certo? Bem, a narcisista não seria capaz de apreciar isso. As amigas dela sempre apoiam, podem ser chamadas qualquer hora da noite, sempre têm interesse no que ela veste ou faz. Aquela amiga engraçada não é só boa amiga, não quer só ajudar – ela tem interesse pessoal na vida da narcisista. Claro que ela tem.

Um comediante, não lembro qual, fez uma piada sobre atores em Los Angeles, mas se aplica a narcisistas: quando dois narcisistas saem, eles só esperam a boca da outra pessoa parar de se mexer pra eles poderem falar sobre si mesmos.

Então de um lado, o narcisista reduz todas as outras pessoas a tipos em relação a ele mesmo; do outro, o narcisista, como personagem principal do próprio filme, tem uma identidade que ele quer (isso é, inventou) e exige que todos os outros a complementem.

Um narcisista tem a mesma aparência todo dia; ele tem um “visual” com uma característica distinta: um certo corte de cabelo; um bigode; um tipo de roupa, uma tatuagem. Ele usa isso pra criar uma identidade na mente dele que ele vai gastar muita energia mantendo.

Considera o narcisista que quer que a esposa só use sapatos de salto alto brancos. O narcisista quer isso não porque ele em si gosta de sapatos de salto alto brancos – talvez goste – mas porque o tipo de pessoa que ele pensa que ele é só estaria com o tipo de mulher que usa sapatos de salto alto brancos. Ou, em outras palavras, outras pessoas esperariam ver alguém como ele com uma mulher que usa esses sapatos. Do que ele gosta não é o fator relevante, e certamente do que ela gosta é irrelevante. O que importa é que ela e os sapatos dela são acessórios pra ele.

Não importa se a mulher é obesa, ou tem 65 anos, ou se os sapatos são fora de moda, ou impráticos – os sapatos representam algo pra ele, e ele tenta reforçar a identidade ele através daquele objeto.

Narcisistas tipicamente se focam em coisas específicas como representações das identidades deles. Como no exemplo acima, a mulher ser obesa ou paraplégica pode ser ignorado se o calçado for a representação da identidade. Essas representações também são fáceis de descrever mas carregadas de implicações: “Eu sou casado com uma loira.” Dizer “loira” implica algo – por exemplo, que ela é gostosa – que pode não ser verdade. Mas o narcisista fetichizou tanto “loira” que se torna algo desconectado da realidade. As conotações, não a realidade, são o que importa (especialmente se outras pessoas não puderem verificar).

Isso explica porque narcisistas se sentem especialmente ofendidos quando o objeto fetichizado some. “A minha esposa parou de pintar o cabelo de loiro; mas quando ela tinha os outros namorados, ela ia pro salão todo mês. Cadela.” Ele não vê a óbvia passagem do tempo, o que ele vê é parte da identidade dele sendo tirada dele, de propósito. O insulto final: “Ela obviamente não se importa tanto comigo quanto se importava com os namorados antigos.”

Como um paradigma, o narcisista é primeiro (ou único) filho, de 2 a 3 anos de idade. Tudo é sobre ele, e tudo é binário. Dele, ou não dele. Satisfeito, ou insatisfeito. Com fome, ou sem fome. Mamãe e Papai falam um com o outro e não comigo? “Oi! Prestem atenção em mim!” Filhos mais novos tipicamente não se tornam narcisistas porque desde que eles nascem, eles sabem que há outros personagens no filme. (Mais novos têm transtorno limítrofe mais facilmente.) Controle, é claro, é importante pra um narcisista. Se tu consegue imaginar um homem de 40 anos com o ego de uma criança de 2, tu tem um narcisista.

Obviamente, nem todo primeiro filho se torna narcisista. Parte do desenvolvimento deles vem de não aprender que há certo e errado fora deles. Isso pode vir de criação incosistente pelos pais:

Papai diz “Guri burro, não vê TV, TV é ruim, vai te deixar burro!” Certo. Lição aprendida. Mas um dia Papai precisa trabalhar: “Para de fazer tanto barulho! Aqui, senta e vê TV.” Qual a mensagem aprendida? Não é que TV é às vezes ruim e às vezes boa. É que o que é bom e o que é ruim são decididos pela pessoa com mais poder.

Então o objetivo no desenvolvimento é se tornar aquele com mais poder. Portanto, narcisistas podem ser dogmáticos (“Adultério é imoral!”) e hipócritas (“foi ela que deu em cima de mim, e tu tava me ignorando em casa”) ao mesmo tempo. Não há certo e errado – só certo e errado pra eles. Um exemplo exagerado: se eles tiverem que matar alguém pra conseguir algo que eles querem, assim seja. Mas quando eles matam, eles não pensam que o que fazem é errado – eles dizem “Eu sei que é ilegal, mas se tu entendesse a situação inteira, tu entenderia …”

Narcisistas nunca sentem culpa. Só vergonha.

Adeus à Utopia

Nossa obsessão atual com o futuro é curiosa. Culturas anteriores tinham suas formas de tentar penetrar através do véu do tempo, claro; astrólogos e adivinhos tinham pelo menos tanto respeito em muitas outras sociedades quanto economistas, futuristas, e críticos sociais esperam na nossa. Nossos comentaristas modernos rejeitam essas artes antigas como inúteis porque elas confiavam na intuição de padrões míticos, ao invés da observação objetiva de fatos. Mas há uma profunda ironia nisso, porque quase todo pensamento moderno sobre o futuro é atrapalhado pela nossa obsessão com um par de narrativas rigidamente definidas – o mito do progresso de um lado, e o mito do apocalipse do outro – muito mais limitantes do que qualquer coisa que os adivinhos antigos e seus clientes teriam tolerado.

Eu argumentei em outro lugar que é impossivel entender os impactos do pico do petróleo, do aquecimento global, e de outras manifestações externas da crise da sociedade industrial enquanto nós estamos presos nesse modo de pensar. Continuar como estamos nao vai nos levar além e acima pra um futuro de Jornada nas Estrelas, isso é certo, mas também não tem grande chance de terminar no tipo de morte em massa súbita retratada pornograficamente em tanta literatura de sobrevivência. No entanto muitas pessoas só conseguem ver o futuro de uma ou da outra dessas formas.

(N.d.t.: “apokalypsis” significa “revelação” no grego koiné, da época da Bíblia.)

Essas duas visões do futuro, apesar de hoje em dia tomarem formas seculares na grande maioria das vezes, têm suas raízes na teologia apocalíptica cristã. Há pouco mais de quatro séculos atrás, na época da Reforma e da Contra-Reforma, o cristianismo em geral cedeu à filosofia racional-materialista e redefiniu as narrativas profundamente míticas da Bíblia como história secular. Até então, teólogos discutiam o que os eventos discutidos no Livro da Revelação significavam como analogias e símbolos místicos; depois, eles discutiram quando e como eles aconteceriam como eventos históricos no mundo cotidiano. Disso vieram duas escolas principais de pensamento. A posição pré-milenarista foi a de que Jesus voltaria e traria o Milênio, um período de mil anos em que cristãos governariam o mundo. Os pós-milenaristas argumentavam que os cristãos governariam o mundo por mil anos, e então Jesus voltaria.

A diferença pode parecer tão relevante quanto o número de anjos que podem dançar na cabeça do Jerry Falwell, mas implicações amplas se estendem de cada ponto de vista. Se os pós-milenaristas tiverem razão, a história fica do lado deles, porque eles são destinados a governar o mundo por mil anos de Jesus chegar aqui. Portanto pós-milenaristas acreditam que as coisas vão melhorar com o tempo até o Milênio chegar. Se os pré-milenaristas tiverem razão, por outro lado, a história fica do lado do diabo, porque vai ser preciso nada menos do que a intervenção pessoal de Jesus pra dar aos cristãos o seu reino global de mil anos. De acordo, pré-milenaristas acreditam que as coisas vão piorar com o tempo até, quando nada puder piorar, Jesus aparecer, dar um pau no diabo e seus lacaios, e trazer o Milênio.

Tira os termos teológicos desses dois pontos de vista e tu tem o mito do progresso e o mito do apocalipse nas suas formas atuais. Crentes no progresso argumentam que a civilização industrial é melhor do que qualquer outra na história, e suas dificuldades atuais vão ser resolvidas se nós simplesmente investirmos o bastante em pesquisa científica, ou tirar o governo do caminho da indústria, ou o que quer que seja que a história única deles apresenta como solução pra todos os problemas. Crentes no apocalipse argumentam que a civilização industrial é pior do que qualquer outra na história, e que suas dificuldades atuais vão terminar com uma catástrofe súbita que vai acabar com ela e trazer qualquer que seja o mundo melhor que a história única deles promete – um mundo melhor no qual eles vão inevitavelmente ter a posição privilegiada negada a eles nesse.

Essas duas narrativas míticas, em outras palavras, são mitos da Utopia. As duas prometem que o futuro vai trazer um mundo muito melhor do que o presente; os únicos pontos de desacordo são sobre como chegar lá, e o quanto a Utopia por vir se parece com a sociedade que temos agora. Portanto não é surpresa que crentes no progresso tendem a ser aqueles que sentem que se beneficiam com a ordem social atual, e crentes no apocalipse tendem a ser aqueles que se sentem marginalizados pela ordem social atual e excluídos dos seus benefícios. Em qualquer caso, a atração da Utopia é potente, e tem raízes profundas na nossa cultura e na nossa consciência coletiva.

É também um dos obstáculos primários no caminho de uma resposta construtiva à crise da sociedade industrial. A lição dos limites ao crescimento – uma lição que a maioria das pessoas vem tentando não aprender, com crescente desespero, desde o início da década de 1970 – é que a Idade da Exuberância chega ao fim e nada vai manter ou trazer ela de volta. O futuro não nos traz um mundo melhor. Ao invés disso nos traz um mundo de limites rígidos, oportunidades restritas, e expectativas reduzidas, no qual muitos dos nossos sonhos mais queridos vão ter que ser largados pelo futuro concebível, ou pra sempre. É um mundo no qual esperanças ainda podem ser realizadas, sonhos ainda podem ser perseguidos, e a experiência de ser humano ainda pode ser contemplada e celebrada, mas tudo isso vai ter que tomar lugar numa escala muito mais modesta do que a experiência do passado recente ou os sonhos utópicos de um futuro melhor nos prepararam pra considerar.

Durante a Idade da Exuberância, o pensamento utópico era adaptativo, usando o jargão ecológico: ele encorajava pessoas a pensar grande num tempo em que expansão imperial, progresso tecnológico, e disponibilidade cada vez maior de energia de combustíveis fósseis fez crescimento explosivo compensar. Conforme a Idade da Exuberância acaba em volta de nós, a equação se reverte. Num mundo de regionalização política e econômica, paralisia ou regressão tecnológica, e suprimentos em queda de todos os recursos não-renováveis, aqueles que seguirem a curva do declínio industrial vão ser tão bem sucedidos quanto aqueles que subiram nas ondas do crescimento industrial foram no passado. Já é hora, há algum tempo, de aprender de novo a pensar pequeno – e esse processo vai ser muito mais fácil se nós dermos adeus à Utopia e nos concentrarmos nas coisas que realmente poderemos alcançar nos duros limites de tempo e recursos que ainda temos.

Um exército de narcisistas? De jeito nenhum

(Nota do tradutor: artigo publicado em inglês em 26/12/2006 no blog The Last Psychiatrist (“O Último Psiquiatra”), atualmente inativo.)

Um tremendo exemplo do narcisismo da nossa sociedade sobre o qual eu escrevi no meu artigo sobre a Time com a capa engraçada. Se existisse alguma organização que eu consideraria em oposição direta ao narcisismo, seria as forças armadas, e no entanto eis aqui ele, sendo especificamente promovido.

(N.d.t.: Stephen Colbert é um humorista que faz sátira política.)

Eu entendo a necessidade prática dessa abordagem, claro: a tentativa de se conectar a um povo apático que recebe notícias atuais de vídeos do Colbert Report no YouTube – eles não se dão o trabalho de encontrar o Iraque ou o Afeganistão num mapa, muito menos se alistar. Mas marca minhas palavras, quando as forças armadas não podem apelar a crenças maiores com qualquer efeito, e precisam recorrer unicamente a ilusões condescendentes de realizações individuais, essa sociedade não pode durar.

Olha a evolução dos slogans, e me diz que eu exagero (do Army Times):

O Exército de hoje quer se juntar a você“: 1971-1973.

Junte-se às pessoas que se juntaram ao Exército“: 1973-1979.

Esse é o Exército“: 1979-1981.

Seja tudo que você pode ser“: 1981-2001.

Um Exército de um“: 2001-2006.

Olha a gramática, as conotações semióticas. Uma pergunta pros historiadores seria se uma civilização em declínio sabe ou não que declina; e se não, o que eles pensavam que acontecia?

Mas talvez nem tudo esteja perdido. O Exército acabou de anunciar o seu novo lema de recrutamento, que aparentemente teve bons resultados em testes: “Forte como o Exército.”


Aliás, a campanha “Forte como o Exército” foi criada pela nova empresa de publicidade do Exército, a McCann Erikson. Eles são responsáveis pela campanha “não tem preço/existem coisas que o dinheiro não compra” da MasterCard. É claro, isso custou um bilhão de dólares pro Exército.

Eu vou voltar pra psiquiatria agora.