Como caem civilizações: uma teoria do colapso catabólico

(Nota do tradutor: artigo publicado em inglês e traduzido com permissão.)

Esse artigo foi escrito em 2004 e publicado online em 2005 depois de várias tentativas de encontrar um jornal revisto por pares que o considerasse. Ele fornece a estrutura teórica que eu uso para entender o colapso de civilizações.

Resumo

O colapso de sociedades humanas complexas segue pouco entendido, e as teorias atuais fracassam em modelar características importantes de exemplos históricos de colapso. Relações entre recursos, capital, desperdício, e produção formam a base de um modelo ecológico de colapso no qual a produção falha em se igualar ao necessário para a manutenção do capital existente. Sociedades encarando tais crises depois de esgotar recursos essenciais correm risco de colapso catabólico, um ciclo de contração auto-reforçante que converte a maior parte do capital em desperdício. Esse modelo permite explicar características-chave de exemplos históricos de colapso, e sugere paralelos entre processos de sucessão em ecossistemas não-humanos e fenômenos de colapso em sociedades humanas.

Palavras-chave: colapso, ecologia, recursos, sucessão

Introdução

O colapso de sociedades humanas complexas, apesar de ser objeto de fascinação acadêmica e popular perenes, segue pouco entendido. Tainter (1988), analizando tentativas anteriores de explicar of fins de civilizações, indicou que a maioria das explicações propostas para colapsos falhava em descrever mecanismos causatórios adequadamente, e dependia ou de hipóteses ad hoc baseadas em detalhes de casos específicos, ou, ao contrário, de afirmações essencialmente místicas (e.g. de que civilizações têm expectativas de vida como as de organismos biológicos individuais). Em outra análise recente de colapsos na história (Yoffee e Cowgill 1988), contribuidores propuseram modelos explicatórios amplamente divergentes para processos basicamente similares de declínio e colapso.

Tainter (1988) propôs uma teoria geral do colapso, na qual sociedades complexas quebram quando complexidade crescente resulta em retorno marginal negativo, de forma que uma redução da complexidade sociopolítica rende benefício às pessoas na sociedade. Essa teoria tem pontos positivos importantes, e modela várias características do colapso de civilizações, mas falha em levar em conta outros fatores, especialmente as dimensões temporais do processo. Tainter define colapso como um processo de simplificação sociopolítica intensa ao longo de um período de “não mais do que umas poucas décadas” (Tainter, 1988, p. 4), substituindo um nível insustentavelmente alto de complexidade por um nível menor, mais sustentável. Muitos dos exemplos que ele cita, no entanto, não se encaixam nessa descrição, tendo ocorrido ao longo de séculos ao invés de décadas (ver Tabela 1) e envolveram um longo processo de desintegração progressiva ao invés de uma mudança rápida de um estado insustentável para um sustentável.

Tabela 1: períodos de colapso para civilizações seletas (todas as datas de Tainter 1988)

Civilização Início do colapso Tempo de colapso
Creta minoana c. 1500 AEC c. 300 anos
Grécia micênica c. 1200 AEC c. 150 anos
Império hitita c. 1200 AEC c. 100 anos
Dinastia Zhou Ocidental 934 AEC 163 anos
Império Romano ocidental 166 EC 310 anos
Mesopotâmia medieval c. 650 EC c. 550 anos
Maias clássicos das terras baixas c. 750 EC c. 150 anos

Os exemplos melhor documentados de colapso, como a queda do Império Romano ocidental, mostram um padrão temporal distinto ainda mais difícil de reconciliar com a teoria de Tainter. Durante o colapso do poder romano, cada uma de uma série de crises causou perda de complexidade social e o estabelecimento de estabilidade temporária num nível menos complexo. Cada um desses níveis se mostrou também insustentável, e foi seguido por outra crise e perda de complexidade (Gibbon 1776-88; Tainter, 1988; Grant, 1990). Em muitas regiões, além disso, a complexidade sociopolítica remanescente depois de desintegração final do império foi muito inferior à que havia existido na mesma área antes da sua inclusão no sistema imperial. Assim, por exemplo, a Bretanha no final da Idade do Ferro pré-romana tinha atingido uma sociedade agrícola estável e próspera com centros urbanos nascentes e conexões comerciais internacionais, enquanto a mesma área passou séculos despovoada, empobrecida, e politicamente caótica depois do colapso da autoridade imperial (Snyder 2003).

Um modelo alternativo baseado em perspectivas da ecologia humana oferece uma forma mais efetiva de entender o processo de colapso. Esse modelo conceitual, a teoria do colapso catabólico, explica a quebra de sociedades como o resultado de um ciclo auto-reforçante de declínio movido por interações entre recursos, capital, produção, e desperdício. Trabalho anterior sobre a ecologia humana de civilizações do passado (e.g., Hughes, 1975; Sanders et al., 1979; Ponting, 1992; Elvin, 1993; Webster, 2002) e tentativas de projetar o impacto de fatores ecológicos em sociedades atuais (e.g., Catton, 1980; Gever et al., 1986; Meadows et al., 1992; Duncan, 1993; Heinberg, 2002) renderam dados e ferramentas analíticas com os quais pode-se tentar desenvolver uma teoria geral do colapso de sociedades complexas. Isso será feito aqui.

A ecologia humana do colapso

No nível mais alto de abstração, qualquer sociedade humana inclui quatro elementos principais. Recursos (R) são fatores que ocorrem naturalmente no ambiente que podem ser explorados por uma sociedade específica, mas que ainda não foram extraídos e incorporados aos fluxos de energia e material da sociedade. Recursos incluem recursos materiais com minério de ferro ainda não extraído e fertilidade natural do solo que ainda não foi exaurida pelos métodos agrícolas da sociedade, recursos humanos como pessoas ainda não incluídas na força de trabalho, e recursos informacionais como descobertas científicas que podem ser feitas pelos métodos de pesquisa da sociedade mas ainda não foram. Enquanto os recursos disponíveis para qualquer sociedade, mesmo a mais simples, são numerosos, complexos, e em mudança, esse modelo conceitual trata recursos como uma só variável. Essa simplificação radical é aceitável unicamente porque permite ver claramente certos padrões na grande escala, e aplicar um modelo à maior variedade possível de sociedades.

Capital (C) consiste de todos os fatores de quaisquer fontes que foram incorporados aos fluxos de energia e material da sociedade e que ainda podem ser usados. Capital inclui capital físico como comida, campos, ferramentas, e prédios; capital humano como trabalhadores braçais e cientistas; capital social como hierarquias sociais e sistemas econômicos; e capital informacional como conhecimento técnico. Deve-se dizer que, enquanto um sistema de mercado é uma forma de capital social, e notas e moedas correntes são formas de capital físico, dinheiro em si é um mecanismo para alocar e controlar capital ao invés de uma forma de capital em si mesmo. Enquanto os estoques de capital de cada sociedade são diversos, complexos, e em mudança, pelo bem da exposição mais uma vez esse modelo trata capital como uma só variável.

Desperdício (D) consiste de todos os fatores que foram incorporados aos fluxos de energia e material da sociedade, e explorados ao ponto de não terem mais utilidade. Materiais usados ou convertidos em poluentes, ferramentas e trabalhadores no fim de suas vidas úteis, e informação irreconhecível ou perdida, todos se tornam desperdício. Todo desperdício é tratado como uma variável só para o propósito desse modelo conceitual.

Produção (P) é o processo pelo qual capital e recursos existentes são combinados para criar mais capital e desperdício. A qualidade e quantidade do novo capital criado pela produção são funções dos recursos e do capital existente usados na produção. Recursos e capital existente podem um substituir o outro na produção, mas a relação entre eles é não-linear e substituição completa é impossível. Conforme o uso de recursos se aproxima de zero, em particular, manter qualquer nível específico de produção requer aumentos exponenciais no uso do capital existente, devido ao efeito do retorno marginal decrescente (Clark e Haswell, 1966; Wilkinson, 1973; Tainter, 1988). Para o propósito desse modelo, toda produção é tratada como uma variável só.

Em qualquer sociedade humana, recursos e capital entram no processo de produção, e novo capital e desperdício saem dele. Capital também é sujeito a desperdício fora da produção – comida não consumida estraga, por exemplo, e trabalhadores desempregados ainda envelhecem e morrem. Portanto manutenção de uma situação estável requer novo capital de produção igual ao desperdício de produção e capital:

C(p) = D(p) + D(c) –> situação estável (1)

em que C(p) é o novo capital produzido, D(p) é o capital existente convertido em desperdício na produção de capital novo, e D(c) é capital existente convertido em desperdício fora da produção. A soma de D(p) e D(c) é M(p), a produção para manutenção, o nível de produção necessário para manter os estoques de capital nos níveis atuais. Assim a Equação 1 pode ser simplificada:

C(p) = M(p) –> situação estável (2)

Sociedades que mudam de uma situação estável para um estado de expansão produzem mais do que o necessário para manter estoques de capital existentes:

Cp) > M(p) –> expansão (3)

Na ausência de limites efetivos ao crescimento, uma vez iniciada, essa expansão se torna um processo auto-reforçante, porque capital adicional pode ser trazido ao processo de produção, onde ele gera mais capital novo, que pode por sua vez ser trazido ao processo de produção. A expansão ocidental dos Estados Unidos no século dezenove oferece um exemplo bem-documentado; num ambiente rico em recursos, aumentos no capital humano através da imigração e aumentos no capital informacional através do desenvolvimento de novas tecnologias agrícolas aumentaram a produção, causando aumentos no capital físico através da expansão geográfica, do povoamento da terra cultivável, da indústria, etc., o que aumentou a produção de novo e causou mais aumentos de todo tipo de capital (Billington 1982). Esse processo pode ser chamado de ciclo anabólico.

O aspecto auto-reforçante de um ciclo anabólico é limitado por dois fatores que tendem a limitar aumentos de C(p). Primeiro, recursos podem não ser suficientes para manter a expansão indefinidamente. Aqui o uso de “recursos” como uma só variável deve ser brevemente posto de lado. Cada recurso tem uma taxa de reposição, r(R), a taxa à qual novos estoques do recurso se tornam disponíveis para a sociedade. Para qualquer dado recurso a qualquer dado momento, r(R) é um produto ponderado das taxas de produção natural, de novas descobertas de depósitos existentes, e do desenvolvimento de recursos alternativos capazes de desempenhar o mesmo papel na produção. Ao longo do tempo, uma vez que a descoberta e o desenvolvimento de substitutos são ambos sujeitos a retornos marginais decrescentes (Clark e Haswell, 1966; Wilkinson, 1973; Tainter, 1988), r(R) se aproxima assintoticamente da taxa combinada à qual o recurso original e os substitutos são criados por processos naturais.

Cada recurso também tem uma taxa de uso pela sociedade, u(R), e a relação entre u(R) e r(R) forma um elemento-chave do modelo. Recursos usados mais rápido do que as suas taxas de reposição, u(R)/r(R) > 1, se tornam esgotados; um recurso esgotado deve ser substituído por capital existente para manter a produção, e a demanda de capital aumenta exponencialmente conforme o esgotamento continua. Assim, a não ser que todos os recursos necessários para uma sociedade tenham uma taxa de reposição infinita, C(p) não pode aumentar indefinidamente porque d(R) eventualmente vai exceder r(R), levando ao esgotamento e aumentos exponenciais no capital necessário para manter C(p) em qualquer nível específico. A lei do mínimo de Liebig sugere que para qualquer sociedade específica, o recurso essencial com o maior valor para d(R)/r(R) pode ser usado para aproximar o valor de d(R)/r(R) para os recursos como um todo.

O esgotamento de recursos é portanto um dos dois fatores que tende a sobrepujar o momento de um ciclo anabólico. O segundo é inerente à relação entre capital e desperdício. Conforme os estoques de capital aumentam, M(p) aumenta, uma vez que D(c) aumenta em proporção ao capital total; mais capital requer mais manutenção e substituição. M(p) também aumenta conforme C(p) aumenta, uma vez que produção maior requer maior uso de capital e portanto maior D(p), ou conversão de capital em desperdício no processo de produção. Todos os outros fatores sendo iguais, o efeito de D(c) é fazer M(p) subir mais rápido que C(p), uma vez que nem todo capital está envolvido em produção a qualquer dado momento, mas todo capital é constantemente sujeito a conversão em desperdício. Aumento de C(p) em relação a M(p) pode ser causado reduzindo estoques de capital para reduzir D(c); desacelerando a conversão de capital em desperdício para diminuir D(c) e/ou D(p); aumentando a fração do capital envolvida na produção, para aumentar C(p); ou aumentando a tomada de recursos para produção, aumentando C(p). Não se fazendo um ou mais desses, ou se eles se mostrarem insuficientes para as exigências da situação, M(p) vai igualar ou ultrapassar C(p) e parar o ciclo anabólico.

Grosso modo, uma sociedade encarando o fim de um ciclo anabólico encara uma escolha entre duas estratégias. Uma estratégia é ir rumo a uma situação estável em que C(p) = M(p), e u(R) ≤ r(R) para todo recurso economicamente significativo. Na ausência de limites ambientais, isso requer controles sociais para manter os estoques de capital limitados a um nível em que custos de manutenção podem ser supridos a partir da produção atual, e as tomadas de recursos podem ser mantidas iguais ou inferiores às taxas de reposição. Isso pode exigir escolhas coletivas difíceis, mas enquanto a disponibilidade de recursos permanecer estável, controles sobre o crescimento de capital forem mantidos, e a sociedade não sofrer crises exógenas grandes, essa estratégia pode ser seguida indefinidamente.

A alternativa é tentar prolongar o ciclo anabólico através de esforços para acelerar a tomada de recursos por meio de conquista militar, tecnologia nova, ou outros meios. Uma vez que aumentar a produção aumenta D(p) e maiores estoques de capital levam a maior D(c), no entanto, esses esforços causam novos aumentos de M(p). Uma sociedade que tenta manter um ciclo anabólico indefinidamente deve portanto aumentar seu uso de recursos a cada vez mais rápido para impedir C(p) de cair abaixo de M(p). Uma vez que isso exacerba problemas de esgotamento, como discutido acima, essa estratégia pode se mostrar contraproducente.

Se a tentativa de atingir uma situação estável falha, ou se esforços para aumentar a tomada de recursos ficam irreversivelmente atrás do M(p) crescente, uma sociedade entra num estado de contração, no qual a produção de capital novo não compensa perdas devido a desperdício:

C(p) < M(p) –> contração (4)

O processo de contração toma duas formas gerais, dependendo da taxa de reposição dos recursos usados pela sociedade. Uma sociedade que usa recursos à taxa de reposição ou menos (u(R)/r(R) ≤ 1), quando a produção de capital novo não basta mais para manutenção, entra numa crise de manutenção em que capital de todo tipo não pode mais ser mantido e é convertido em desperdício: capital físico é destruído ou estraga, populações humanas diminuem de número, organizações sociais de grande escala se desintegram em formas menores e mais econômicas, e informação é perdida. Porque os recursos não são esgotados, as crises de manutenção geralmente são auto-limitantes. Conforme o capital é perdido, M(p) diminui rapidamente, enquanto que diminuições de C(p) devido a perda de capital são parcialmente atenuadas pela disponibilidade contínua de recursos. Isso permite um retorno a uma situação estável ou ao começo de um novo ciclo anabólico uma vez que a conversão de capital em desperdício reduz M(p) abaixo de C(p).

Uma sociedade que usa recursos além da taxa de reposição (u(R)/r(R) > 1), quando a produção de capital novo não basta mais para manutenção, corre risco de uma crise de esgotamento em que características-chave de uma crise de manutenção são amplificadas pelo impacto do esgotamento na produção. Conforme M(p) excede C(p) e capital não pode mais ser mantido, ele é convertido em desperdício e inutilizado. Uma vez que esgotamento requer investimentos cada vez maiores de capital na produção, a perda de capital afeta a produção mais seriamente do que numa crise de manutenção equivalente. Enquanto isso, produção extra, mesmo numa velocidade menor, requer maior uso dos recursos esgotados, exacerbando o impacto do esgotamento e a necessidade maior de capital para manter a produção. Com a demanda por capital subindo enquanto o suprimento de capital cai, C(p) tende a cair mais rápido do que M(p) e perpetuar a crise. o resultado é um ciclo catabólico, um processo auto-reforçante no qual C(p) permanece abaixo de M(p) enquanto ambos diminuem. Ciclos catabólicos podem ocorrer em crises de manutenção se a diferença entre C(p) e M(p) for grande o suficiente, mas tendem a ser auto-limitantes nesses casos. Nas crises de esgotamento, em contraste, ciclos catabólicos podem avançar para colapso catabólico, em que C(p) se aproxima de zero e a maior parte do capital da sociedade é convertida em desperdício.

Uma sociedade numa crise de esgotamento não segue inevitavelmente ao colapso catabólico. Se o esgotamento for limitado, de forma que menor demanda por recursos como consequência de menor produção reduz u(R) abaixo de r(R), a queda acelerada de C(p) pode não acontecer e a crise pode se parecer com uma crise de manutenção. Se a diferença entre C(p) e M(p) for modesta, capital improdutivo pode ser posto pra produzir para aumentar C(p) ou preferencialmente convertido em desperdício para diminuir M(p), forçando C(p) e M(p) para um equilíbrio temporário para ganhar tempo para a transição para uma situação estável. Uma sociedade na qual o esgotamento é avançado e M(p) aumentando rapidamente em relação a C(p), no entanto, pode não conseguir escapar do colapso catabólico mesmo se tais medidas forem tomadas. Fatores culturais e políticos também podem tornar esforços para evitar colapso catabólico difíceis de realizar, ou mesmo considerar.

Testando o modelo

Essas duas formas de colapso, crise de manutenção levando a recuperação e crise de esgotamento levando a colapso catabólico, são até certo ponto tipos ideais, e formam dois extremos de um espectro complexo de ruptura social. A maioria dos exemplos históricos de colapso fica em algum lugar intermediário. As limitações do modelo abstrato e extremamente simplificado no qual a teoria se baseia devem ser mantidas firmemente em mente ao se tentar a sua aplicação a exemplos passados ou presentes. Ainda assim, uma análise de exemplos históricos mostra que muitos deles têm características que apoiam o modelo proposto neste artigo.

Mais perto de crises de manutenção no espectro ficam sociedades tribais como os kachins de Burma. As comunidades kachins se alternam entre formas sociais relativamente descentralizadas (gumlao) e relativamente centralizadas (shan) sem perdas significativas de capital físico, humano, ou informacional. Nesse caso ciclos anabólicos levam ao crescimento de capital organizacional na forma de formas sociais relativamente centralizadas, mas os custos de manutenção desse capital organizacional se mostram insustentáveis, levando a crises de manutenção, perda de capital social, e a restauração de formas sociais menos exigentes de recursos e capital (Leach, 1954).

Essencialmente o mesmo processo numa escala maior e mais destrutiva caracteriza a história da China imperial do século dez AEC ao fim do século dezenove EC. Cultivo eficiente de cereais e economias locais de mercado forneceram a fundação para uma série de ciclos anabólicos resultando no estabelecimento de estados imperiais, dinásticos, e centralizados (Gates, 1996; Di Cosmo, 1999). Esses ciclos anabólicos causaram aumentos de população, obras públicas como canais e projetos para controle de enchentes, e organização sociopolítica, que se mostraram insustentáveis no longo prazo. Conforme custos de manutenção excederam os recursos do governo imperial, repetidas crises de manutenção levaram à quebra da ordem social, invasão por povos vizinhos, perda de infraestrutura e rápidas reduções da população (Ho, 1970; Di Cosmo, 1999). A base de recursos da China imperial tinha uma taxa de reposição relativamente rápida, principalmente graças à sustentabilidade no longo prazo da agricultura tradicional chinesa e ao uso de músculo humano e animal como fontes principais de energia, e qualquer esgotamento significativo se resolvia uma vez que a população diminuía (Elvin, 1993). Com o papel limitado de esgotamento de recursos, as crises de manutenção da China imperial foram auto-limitantes e resultaram em contrações a níveis mais modestos de população e organização sociopolítica, ao invés do colapso total da sociedade.

O colapso do Império Romano ocidental, em contraste, foi um colapso catabólico causado por uma crise combinada de manutenção e recursos. Enquanto o mundo mediterrâneo antigo, como a China imperial, era primariamente dependente de recursos facilmente repostos, o Império em si era o produto de um ciclo anabólico movido por recursos facilmente esgotáveis e pela superioridade militar romana. A partir do século três AEC, a expansão romana transformou o capital de outras sociedades em recursos pra Roma conforme um país atrás do outro foi conquistado e privado das suas riquezas portáteis. Cada nova conquista aumentou a base de recursos romana e ajudou a pagar por novas conquistas. Depois do primeiro século EC, no entanto, a expansão parou de pagar os próprios custos. Todos os povos remanescentes ao alcance romano eram ou tribos bárbaras com pouca riqueza, como os alemães, ou impérios rivais capazes de se defender, como os iranianos durante a dinastia parta (Jones 1974). Sem ganhos de novas conquistas, os custos de manutenção do império se mostraram insustentáveis, e um ciclo catabólico rapidamente seguiu. A primeira maior quebra do sistema imperial veio em 166 EC, e outras crises seguiram até o império ocidental deixar de existir em 476 EC (Grant 1990, Grant 1999).

O colapso romano tem uma característica instrutiva que oferece suporte extra ao modelo apresentado aqui. Em 297 o imperador Diocleciano dividiu o império em metades ocidental e oriental. A coordenação entre elas diminuiu, e à morte de Teodósio I em 395, as duas metades do império eram efetivamente estados independentes. Uma vez que o império ocidental produzia 1/3 da renda do oriental, mas tinha mais do que o dobro de fronteira ao norte pra defender contra avanços bárbaros, isso pôs a maioria das vulnerabilidades do império original numa metade e maioria dos recursos remanescentes na outra. Em termos do modelo de colapso catabólico, o império oriental permitiu a conversão de imensas quantidades de capital relativamente improdutivo, que exigia manutenção cara, em desperdício, reduzindo seu M(p) abaixo da C(p) remanescente e saindo do ciclo catabólico. O território do império oriental diminuiu mais com as conquistas muçulmanas dos séculos sete e oito EC; apesar disso ter sido involuntário os efeitos foram os mesmos. Passando com sucesso a um nível de organização que podia ser sustentado por comércio e agricultura num território mais administrável, o Império Romano oriental sobreviveu quase um milênio a mais do que seu gêmeo ocidental (Bury 1923).

Mais perto do extremo de crise de esgotamento foi o colapso dos maias clássicos das terras baixas nos séculos oito, nove, e dez da Era Comum. O modelo mais aceito do colapso maia afirma com base em evidência demográfica e paleoecológica que as populações maias cresceram a um nível que não podia ser sustentado indefinidamente pelas práticas agrícolas maias nos solos lateríticos pobres em nutrientes das terras baixas de Iucatã. Em termos do modelo presente, o recurso-chave, a fertilidade do solo, foi consumido a uma velocidade acima da taxa de reposição, e sofreu esgotamento severo como resultado. Os estados maias também investiram uma grande parte da C(p) em programas monumentais de construção, que aumentaram os custos de manutenção mas não podiam contribuir prontamente para produção, e mantiveram esses programas até o início do período Clássico Terminal. O resultado foi um colapso contínuo ao longo de dois séculos, de cerca de 750 EC a cerca de 950 EC, em que as populações maias das terras baixas caíram vertiginosamente e dúzias de centros urbanos foram abandonados à selva (Willey e Shimkin 1973, Lowe 1985, Webster 2002).

O colapso dos maias clássicos das terras baixas é particularmente sugestivo porque parece ter sido precedido por ao menos dois outros. Sítios pré-clássicos como El Mirador e Becán mostram muitos dos mesmos elementos artísticos e culturais dos centros urbanos clássicos maias, mas foram abandonados num colapso mal-documentado anterior por volta de 150 EC (Webster 2002). Um segundo episódio, conhecido como Hiato do Clássico Médio (500-600 EC), teve grandes declínios em construção de monumentos e evidência de descentralização política (Willey 1974). É difícil determinar a partir da evidência disponível se esses eventos foram crises de manutenção precedendo a crise final de esgotamento do Clássico Terminal ou se outra explicação é necessária.

Características da sociologia comparativa fora do domínio dos processos de colapso também oferecem apoio ao modelo de colapso catabólico. Uma implicação do modelo é que sociedades que persistem por longos períodos vão tender a ter mecanismos sociais para limitar o crescimento de capital, e assim artificialmente manter M(p) abaixo de C(p). Tais mecanismos de fato existem numa ampla variedade de sociedades. Entre os mais comuns há sistemas em que quantidades modestas de capital improdutivo são regularmente convertidas em desperdício. Exemplos incluem aspectos da economia de potlatch entre entre os nativos do noroeste da América do Norte (Kotschar, 1950; Rosman, 1971; Beck, 1993) e o depósito ritual artigos de metal de luxo em lagos e rios por povos da Idade do Bronze em muito da Europa Ocidental (Bradley, 1990; Randsborg, 1995). Tais sistemas foram interpretados de muitas formas (Michaelson, 1979), mas em termos do modelo apresentado aqui, uma das funções deles é tirar parte da C(p) dos estoques de capital que exigem manutenção, assim artificialmente baixando D(c) e fazendo um ciclo catabólico menos provável.

Tais práticas claramente têm muitos outros significados e funções dentro das sociedades. E essa interpretação não exige qualquer consciência nas sociedades de que sistemas de destruição de capital evitam ciclos catabólicos. Ao invés disso, se tais sistemas fazem o colapso catabólico menos provável, culturas que adotam tais sistemas por outras razões teriam mais chance de sobreviver no longo prazo para passar tais elementos culturais a sociedades vizinhas ou sucessoras.

Conclusão: colapso como processo de sucessão

Mesmo nas ciências sociais, o processo pelo qual sociedades complexas dão lugar a sociedades menores e mais simples tem sido frequentemente apresentado em termos tirados da tragédia literária, como se a perda de complexidade sociocultural necessariamente justificasse um julgamento de valor negativo. Isso é compreensível, dado que o colapso de civilizações frequentemente envolve mortalidade humana catastrófica e a perda de tesouros culturais sem preço, mas como qualquer julgamento de valor pode obscurecer características importantes da questão.

Uma abordagem menos problemática ao fenômeno do colapso deriva da idéia de sucessão, um conceito básico na ecologia de organismos não-humanos. Sucessão descreve o processo pelo qual uma área ainda não ocupada por seres vivos é colonizada por uma variedade de conjuntos biológicos, chamados de seres, cada um substituindo um sere anterior e sendo substituído por um posterior, até o processo concluir com uma comunidade clímax estável e auto-perpetuadora (Odum 1969).

Uma característica da sucessão em muitos ambientes diferentes é uma diferença no uso de recursos entre seres anteriores e posteriores. Espécies características de estágios serais iniciais tendem a maximizar o controle de recursos e produção de biomassa por unidade de tempo, mesmo ao custo de ineficiência; portanto tais espécies tendem a maximizar a produção e distribuição de descendentes mesmo quando isso significa que a grande maioria deles não chega à maturidade reprodutiva. Espécies típicas de seres posteriores, em contraste, tendem a maximizar a eficiência do seu uso de recursos, mesmo ao custo de limitar a produção de biomassa e a distribuição de organismos individuais; portanto essas espécies tendem a maximizar o investimento de energia em descendentes individuais mesmo quando isso quer dizer que eles são poucos e a espécie não ocupa todos os nichos disponíveis. Espécies do primeiro tipo, ou espécies estrategistas-R, se especializaram em florescer oportunistamente em ambientes perturbados, enquanto aquelas do segundo tipo, ou espécies estrategistas-K, se especializaram em formar comunidades bióticas estáveis que mudam apenas com mudanças no ambiente maior (Odum 1969).

Sociedades humanas e espécies não-humanas não podem ser igualadas de forma simplista, mas as diferenças radicais entre estratégias de subsistência e produção entre sociedades humanas permitem que elas sejam comparadas a grupos bióticos distintos em certos contextos. Sociedades humanas entram em relações ecológicas comuns como simbiose, comensalidade, parasitismo, predação, e exclusão competitiva com outras sociedades. Assim, processos pelos quais sociedades humanas são substituídas por outras podem ser utilmente comparados com a sucessão para ver se características comuns emergem.

O modelo de colapso catabólico sugere uma característica comum. Como indicado acima, sociedades diferem nas suas respostas a mudanças em disponibilidades de recursos e custos de manutenção. O espectro de respostas vai de ajuste a uma situação estável, através de uma história de crises de manutenção repetidas e quebras parciais seguidas de recuperações, até crise de esgotamento severa e colapso total. Essas diferenças, de acordo com o modelo apresentado aqui, vêm das diferentes relações entre recursos, capital, produção, e desperdício, especialmente as relações entre produção e manutenção de capital, C(p)/M(p), e entre as taxas de uso e reposição de recursos, u(R)/r(R).

Essas diferenças fazem paralelo às entre espécies não-humanas estrategistas-R e estrategistas-K. Uma sociedade que maximiza sua produção de capital, como uma espécie estrategista-R, prospera num ambiente com recursos substanciais não capturados mas fracassa quando eles são exauridos. Os seus sucessores provavelmente serão sociedades que, como espécies estrategistas-K, usam recursos-chave mais sustentavelmente ao custo de produção menor de capital. Comunidades clímax não-humanas também tipicamente têm maior diversidade de espécies, mas população menor por espécie, do que estágios serais anteriores, e produzem volumes notavelmente menores de biomassa por unidade de tempo (Odum 1969).

Mudanças relativamente similares frequentemente distinguem sociedades pré-colapso e pós-colapso. Portanto o colapso do Império Romano ocidental, por exemplo, pode ser visto como um processo de sucessão em que um estágio seral, dominado por uma só “espécie” sociopolítica que maximizou a produção de capital ao custo de ineficiência, foi substituído por uma comunidade mais diversa de sociedades, consistindo de várias “espécies” menos populosas melhor adaptadas às suas condições locais, produzindo capital a velocidades menores mas mais sustentáveis. Análises que retratam essa transformação como tragédia pura deixam passar aspectos importantes, uma vez que o colapso romano permitiu que outras sociedades saíssem da sombra romana, e lançou grandes iniciativas culturais como as literaturas vernaculares nas línguas ancestrais das línguas celtas, germânicas, e neolatinas de hoje (Wiseman 1997). Como com qualquer processo de sucessão, houve vencedores assim como perdedores. Com o perdão de uma passagem pela fantasia, se seres vivos não-humanos fossem alfabetizados e interessados nos seus passados, uma história da eutrofização de lagos escrita por ervas-de-febra seria muito diferente de uma escrita por peixes.

Uma vez que humanos têm capacidades de mudar ausentes na maioria das espécies, os mesmos indivíduos humanos podem mudar de peixes pra erva, por assim dizer, compondo uma sociedade maximizadora de produção “estrategista-R” num momento e a sua substituta maximizadora de sustentabilidade “estrategista-K” num momento futuro. O exemplo dos kachins citado acima mostra que isso não é mera possibilidade teórica. No entanto, como os outros exemplos citados a evidência histórica geral sugerem, essa mudança não é inevitável. A possibilidade de crise de manutenção deve ser considerada sempre que uma sociedade mostrar sinais de incapacidade de manter seu capital existente, e a possibilidade de crise de esgotamento seguida de colapso catabólico não pode ser excluída quando a produção de capital depender do uso de recursos a velocidades significativamente acima das suas taxas de reposição.

Tais avaliações de sociedades do passado e do presente, para atingir alto grau de valor analítico ou preditivo, exigem análise quantitativa cuidadosa de uma forma que esse artigo não tentou. Uma vez que cada elemento no modelo conceitual apresentado aqui representa um conjunto de variáveis diverso e em mudança constante, tal análise oferece desafios significativos, e em muitos exemplos históricos pode ser impossível ir além de medições indiretas de valor incerto para variáveis cruciais. No entanto, padrões gerais correspondentes ao modelo de colapso catabólico podem ser mais fáceis de extrair de dados incompletos. Qualquer sociedade que mostrar amplos aumentos na maioria das medidas de produção de capital juntamente com sinais de esgotamento sério de recursos-chave, em particular, pode ser considerada candidata em potencial a colapso catabólico.

Referências

Beck, M.G. (1993). Potlatch: native ceremony and myth on the Northwest Coast. Anchorage: Alaska Northwest.

Billington, R.A. (1982). Westward expansion: a history of the American frontier. New York: Macmillan.

Bradley, R. (1990). The passage of arms: an archaeological analysis of prehistoric hoards and votive deposits. Cambridge: Cambridge University Press.

Bury, J.B. (1923). History of the later Roman empire. London: Macmillan.

Catton, W.R., Jr. (1980). Overshoot: the ecological basis of revolutionary change. Urbana: University of Illinois Press.

Clark, C., e Haswell, M. (1966). A Economia da Agricultura de Subsistência. London: Macmillan.

Corning, P.A. (1983). The synergism hypothesis. New York: McGraw-Hill.

—– (2002). ‘Devolution’ as an opportunity to test the ‘synergism hypothesis’ and a cybernetic theory of political systems. Systems Research and Behavioral Science 19:1 pp. 3-24.

Di Cosmo, N. (1999) State formation and periodization in inner Asia. International History Review 20:2, pp. 287-309.

Duncan, R.C. (1993).The life-expectancy of industrial civilization: the decline to global equilibrium. Population and Environment, 14(4), pp. 325-357.

Elvin, M. (1993). Three thousand years of unsustainable growth: China’s environment from archaic times to the present. East Asian History 6, pp. 7-46.

Gates, H. (1996). China’s motor: a thousand years of petty capitalism. Ithaca: Cornell University Press.

Gever, J., Kaufman, R., Skole, D., e Vorosmarty, C. (1986). Beyond oil: the threat to food and fuel in the coming decades. Cambridge: Ballinger.

Gibbon, E. (1776-88). A História do Declínio e Queda do Império Romano. New York: Modern Library.

Grant, M. (1990). Roma – A Queda Do Império. London: Weidenfeld and Nicolson.

—– (1999). The collapse and recovery of the Roman empire. London: Routledge.

Hughes, J. Donald (1975). Ecology in ancient civilizations. Albuquerque: University of New Mexico Press.

Jones, A.H.M. (1974). The Roman economy: studies in ancient economic and administrative history. Oxford: Basil Blackwell.

Heinberg, R. (2002). The party’s over: oil, war, and the fate of industrial societies. Vancouver: New Society.

Ho, P.-T. (1970). Economic and institutional factors in the decline of the Chinese empire. The economic decline of empires, ed C.M. Cipolla (pp. 264-77). London: Methuen.

Kotschar, V.F. (1950). Fighting with property: a study of Kwakiutl potlatching and warfare, 1792-1930. Seattle: University of Washington Press.

Leach, E.R. (1954). Sistemas Políticos da Alta Birmânia. Boston: Beacon Press.

Lowe, J.W.G. (1985). The dynamics of apocalypse: a systems simulation of the classic Maya collapse. Albuquerque: University of New Mexico Press.

McNeill, W.H. (1998). Plagues and peoples. New York: Anchor.

Meadows, D.H., Meadows, D.L., and Randers, J., Além dos limites: da catástrofe total ao futuro sustentável. Post Mills, VT: Chelsea Green, 1992.

Michaelson, D.R. (1979). From ethnography to ethnology: a study of the conflict of interpretations of the southern Kwakiutl potlatch. Ph.D diss., New School for Social Research.

Odum, E. (1969). A Estratégia de Desenvolvimento do Ecossistema. Science 164, pp. 262-70.

Ponting, C. (1992). Uma História Verde do Mundo. New York: St. Martin’s.

Randsborg, K. (1995). Hjortspring: warfare and sacrifice in early Europe. Aarhus: Aarhus University Press.

Rosman, A., e Rubel, P.G. (1971). Feasting with mine enemy: rank and exchange among Northwest Coast societies. New York: Columbia University Press.

Sanders, W.T., Parsons, J.A., e Santley, R.S. (1979). The basin of Mexico: ecological processes in the evolution of a civilization. New York: Academic Press.

Snyder, C.A. (2003). The Britons. Oxford: Blackwell.

Tainter, J.A. (1988). The collapse of complex societies. Cambridge: Cambridge University Press.

Webster, D.L. (2002). The fall of the ancient Maya: solving the mystery of the Maya collapse. London: Thames and Hudson.

Wilkinson, R.G. (1973). Pobreza E Progresso – Um Modelo Ecológico De Desenvolvimento Econômico. London: Methuen.

Willey, G.R. (1974). The classic Maya hiatus: a ‘rehearsal’ for the collapse? Mesoamerican Archeology: New Approaches, ed. N. Hammond (pp. 417-30). London: Duckworth.

Willey, G.R., e Shimkin, D.B. (1973). The Maya collapse: a summary view. The classic Maya collapse, ed. T.P. Culbert (pp. 457-501). Albuquerque: University of New Mexico Press.

Wiseman, J. (1997). The post-Roman world. Archaeology 50:6, p. 12-17.

Yoffee, N., e Cowgill, G., eds. (1988). The collapse of ancient states and civilizations. Tucson: University of New Mexico Press.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *